quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

MUSEU PONTA DO PAPAGAIO

O MAS NOVO MUSEU VAI SER INAUGURADO EM 26 JANEIRO DE 2018 NA PONTA DO PAPAGAIO NO LOCAL CONHECIDO COMO RANCHO DO MANECO  UM PESCADOR LOCAL FALECIDO EM 2012 NA BUSCA DE REGATAR A HISTORIA LOCAL MAURICI HORACIO DEMARIA PESCADOR E AMIGO DO MANECO QUE RELATA A ESTORIA LOCAL ONDE TEM FORTALEZA ARAÇATUBA DEFRONTE AO FAROU DO NAUFRAGADO E RELATA A HITORIA DO LOCAL DO TEMPOS DOS INDIOS E TODAS AS EPOCAS DA COROA PROTUGUESA E ROTAS MARITIMAS ESPANHOLA NESTE LOCAL NAO SO REGATE DAS ESTORIAS DE PESCADORES  NA CAÇADA BALEIA COMO NA EPOCA DA COROA PORTUGUESA ONDE FOI FEITA FORTALEZA  ARAÇATUBA .NA BUSCA DE REGASTAR VARIOS NAUFRAGIOS NESTA LOCALIDADE ONDE TEM +DE 40 NAVIS AFUNDADOS NESTE LOCAL O MUSEU VAI SER O LOCAL DE TRIAGEM E INDENTIFICAÇAO DE PEÇAS QUE SERAO COLETATAS NA TEMPORADA 2017 E 2018    FOTALEZA DE ARAÇATUBA

O mistério da ponta dos Naufragados

O barco que está a 12 m de profundidade pode ser o de Sebastião Caboto (1526) ou o de De Solís (1516)


UM MISTÉRIO da arqueologia colonial brasileira será desvendado logo que a Marinha assinar o contrato que permitirá aos mergulhadores do Projeto Resgate Barra Sul o manuseio de destroços que estão a 12 metros de profundidade nas águas da ponta dos Naufragados, em Florianópolis. Lá, no leito do mar, está uma massa com 30 metros de extensão e 8 metros de altura, coberta por séculos de craca. Sob a crosta dorme uma embarcação, provavelmente espanhola e do século 16.
Segundo o historiador catarinense João Carlos Mosimann, é possível que se tenha descoberto o túmulo da nau Santa Maria de la Concepción, capitânia da expedição do navegador veneziano Sebastião Caboto, que explorou o rio da Prata. Ela afundou em 1526 e o local do achado confere com uma narrativa da época. Também é possível, com menor probabilidade, que a carcaça seja de uma caravela da frota de Juan Dias de Solís que naufragou dez anos antes, na mesma região. (Solís esteve na embocadura do Prata, mas foi comido pelos índios.)
Os dois naufrágios, bem como a história das duas expedições, cruzam-se numa fantástica aventura. Em 1516, quando a caravela de Solís afundou, havia no Brasil algo como 30 europeus. Onze marujos sobreviveram ao naufrágio, juntaram-se aos índios carijós e alguns deles foram felizes para sempre. Um, o negro (ou mulato) Francisco Pacheco, provavelmente foi o primeiro afrodescentente a formar família em Pindorama. Ele subiu os Andes com uma tropa de índios e chegou a uma terra de reis cobertos de metais e pedras preciosas. Eram os incas. A expedição foi massacrada, mas Pacheco sobreviveu e regressou com amostras de prata. Mais tarde ele retornaria à Espanha com a mulher índia, filhos e alguns carijós. (Outro náufrago, o grumete português Henrique Montes, regressou com duas mulheres e instalou uma em Lisboa e a outra em Sevilha.)
Ao ver a prata de Pacheco, o navegador veneziano mudou seu plano de circum-navegar a Terra e subiu o rio Paraná à procura das riquezas. Deu-se mal e acabou desterrado. Foram os náufragos de Santa Catarina, com a notícia do ouro e da prata das montanhas, que provocaram a expedição de Martim Afonso de Souza, na qual veio o Henrique das duas mulheres.
Essas aventuras estão contadas por Mosimann no seu livro "Porto dos Patos - A fantástica e Verdadeira História da Ilha de Santa Catarina na Era dos Descobrimentos", e por Amílcar D'Avila Mello no seu monumental "Expedições - Santa Catarina na Era dos Descobrimentos Geográficos".
A carcaça das cercanias da praia dos Naufragados foi achada pelo mergulhador Gabriel Correa, de 37 anos. Em 2005, ele viu uma âncora, que já foi identificada como peça espanhola do século 16. Meses depois achou-se a massa da embarcação, a 23 metros de distância. Em janeiro passado, os mergulhadores localizaram um canhão de três metros na parte superior do barco e, alguns mergulhos depois, viram seis balas de um canhonete de sinalização, esferas de ferro do tamanho de bolas de pingue-pongue.
Com uma ajuda de R$ 400 mil da Fundação de Amparo à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina, Correa e uma equipe de seis mergulhadores trabalham com um sonar, detectores de metais e câmeras subaquáticas. Eles descem ao túmulo regularmente e nunca tiraram uma só peça do lugar. Correa acredita que o mistério será desfeito quando encontrarem o sino do navio ou examinarem o canhão em terra firme, limpo. Num dos dois deve estar inscrito o nome do barco.
Se debaixo da craca estiver a caravela de De Solís, ela será a mais antiga ruína de embarcação naufragada nos mares das Américas.

DUQUE DE CABRAL
Custaria pouco ao governador Sérgio Cabral chamar o pizzaiolo Paulo Duque, seu segundo suplente no Senado, para uma conversa no Laranjeiras. O comportamento de Duque não tem paralelo na história da bancada do Rio de Janeiro. Nessas cadeiras já estiveram Diogo Feijó, Quintino Bocayuva e Afonso Arinos de Mello Franco. Cada dia de permanência de Duque no Senado equivale a um choque de desordem do governo de Cabral, pois bastaria que Regis Fichtner, seu primeiro suplente, deixasse a Casa Civil do Palácio Guanabara e assumisse a cadeira do Rio.

LULA'S
De um malvado:
"Os senadores são realmente "bons pizzaiolos", mas todos trabalham para a Rede Lula."

BUFÔMETRO
Em setembro passado, quando a banca mundial estava derretendo, o biliardário americano Warren Buffett comprou US$ 10 bilhões em ações da casa bancária Goldman Sachs a US$ 121 cada uma. Semanas antes elas valiam US$ 179. Buffett contratou um rendimento de 10%, mas não precisará recorrer à garantia. Na semana passada as ações da Goldman chegaram a US$ 157 e, até agora, ele ganhou US$ 3 bilhões.

BOA NOTÍCIA
Cozinha-se no Itamaraty a criação de uma carteira de identidade para brasileiros residentes no exterior. Há 2,5 milhões de brasileiros alhures, mais da metade deles trabalhando nos EUA ou na Europa, sem a documentação necessária. A carteirinha, emitida pelos consulados, teria um valor quase simbólico e só seria dada a quem a solicitasse. Os consulados só começaram a tratar os brasileiros encrencados como cidadãos depois que Nosso Guia assumiu a Presidência.

CATINGUEIRO TEM O QUE CONTAR DO ARAGUAIA

Reapareceu um antigo personagem da guerrilha do Araguaia. É o camponês José Maria Alves da Silva, ou "Zé Catingueiro", de 72 anos. Ele está colaborando no trabalho de localização das sepulturas dos guerrilheiros mortos entre 1973 e 1974.
Como ao longo dos últimos 37 anos os comandantes militares preferiram tratar o assunto com uma mistura de dissimulação e amnésia, tomara que a ajuda de Catingueiro seja produtiva.
De qualquer forma, em pelo menos um caso seu testemunho pode ser definitivo: o da morte da guerrilheira "Cristina", codinome de Jana Moroni Barroso, estudante de biologia da UFRJ, assassinada em janeiro de 1974, aos 26 anos.
Há duas versões para sua morte. Numa, foi presa viva. Noutra, dada em 1994, em depoimento colhido pelo professor Romualdo Pessoa, o camponês José Veloso de Andrade, que trabalhou para o Exército na base da Bacaba, foi Zé Catingueiro quem a matou. Assim falou Veloso: "Eles pressentiram o pessoal do Exército, ela correu, quando ela correu ela vai cair em cima de um cara, um guia. Um guia atirou nela.
Era o "Zé Catingueiro", atirou nela, deu chumbo, mas o chumbo era pequeno e ela não morreu logo, mas ela morreu. A flor da subversão de boniteza".
Essa informação é velha e pública, mas a amnésia que atingiu os militares contagiou a investigação dos crimes cometidos na floresta.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

INOVAÇÃO PARA NÃO GÊNIOS - CLEMENTE NOBREGA

novos destinos em novos emprendimentos

Não há uma fórmula absoluta para driblar a crise econômica, mas um olhar atento sobre o comportamento do setor de inovação, especialmente em Santa Catarina, pode revelar muitos caminhos. Um deles vem do segmento de incubadoras e startups e que tornaram Florianópolisuma referência para o país. “Uma startup não quebra, ela se reinventa mais rápido. Isso porque as empresas em encubação já passaram por um processo seletivo rigoroso e trazem informações de mercado”, sugere Gabriel Santos, coordenador do Midi Tecnológico, incubadora gerida pela Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate).novacao-para-nao-genios---clemente-nobrega